“O ZIKA ESCANCAROU A CRISE DA SAÚDE BRASILEIRA” - Dr. Rubens Belfort Junior (UNIFESP)

Clique aqui para comentar esta publicação


 Foto: Anna Carolina Negri/ÉPOCA


“É muito bom ver que o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) começa a anunciar editais de pesquisa sobre zika. Sentimos falta disso desde o início da crise. Os pesquisadores querem participar, mas faltava conhecer as regras. Tem de ser tudo detalhado, no papel e com transparência. Problemas assim a gente só consegue resolver com os diferentes parceiros na mesma mesa. Os parceiros são os pacientes, os profissionais de saúde, o governo, a imprensa. Toda a sociedade. Sem transparência, nada se resolve.”




“Não existe doença oftalmológica conhecida que cause as lesões que observamos. É como olhar a Lua e o Sol. Os dois são redondos, mas têm aspecto e brilho diferentes. Esses pacientes têm lesões na retina e em outras estruturas, como o nervo óptico. É muito diferente dos danos provocados por outras causas. Além disso, fizemos exames de sangue nas mães e nos bebês para excluir a possibilidade de infecção por outros vírus. Assim que publicamos o artigo, recebi um e-mail do presidente da Associação Mundial de Oftalmologia. Ele dizia que as fotografias de nosso trabalho são irrefutáveis. Estamos diante de outra doença.”




******



LEIA TAMBÉM:

Bebê com microcefalia severa precisa de diagnóstico por imagem, diz OMS

Organização publica novas diretrizes sobre problema ligado a vírus da zika.
Criança com grau mais sutil de anomalia deve ter acompanhamento clínico.



***

Pacientes reclamam da persistência dos sintomas de zika

Rua professora Kátia do Carmo, Nova Iguaçu, Baixada Fluminense - uma rua que parece ter sido escolhida pelo Aedes aegypti: pacientes que receberam diagnóstico de zika têm se queixado da persistência dos sintomas muito tempo depois de terem tido a doença, a ponto de suspeitarem que não era zika. Mas sintomas de qual das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti? Apesar de estarem sofrendo há meses, muitos não sabem.





***

Ministério volta atrás e divulga casos de microcefalia com positivo para zika

Há transmissão local do vírus zika em 22 unidades da federação: Goiás, Minas Gerais, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Roraima, Amazonas, Pará, Rondônia, Mato Grosso, Tocantins, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná.




******



Gostou? Compartilhe esta publicação nas redes sociais

0 comentários:

Postar um comentário