POR TRÁS DAS CENAS DE PROFANAÇÃO DE SÃO PEDRO - Antonio Socci

Clique aqui para comentar esta publicação





Por trás das cenas de profanação de São Pedro

Em 08 de dezembro, em um show ruim, a Basílica de São Pedro e o Domo, o coração do cristianismo, foram profanados com uma tela gigante (ou “maxischerno”) para projetar imagens sobre o clima e o meio ambiente, os novos dogmas da ideologia dominante.
 “Um espetáculo inconcebível na Praça de São Pedro, uma afronta à basílica, símbolo do catolicismo”, escreveu Riccardo Cascioli, diretor do jornal católico online “Nuova Bussola quotidiana”.
O show foi apresentado pelo Vaticano como uma espécie de louvor à criação que lembrava a encíclica “Laudato Si” e a Conferência de Paris sobre o clima e que já alimentou muitas dúvidas, uma vez que nada tinha a ver com a Festa da Imaculada que foi comemorada na terça-feira, bem como com a abertura do Jubileu e com a iminência do Natal.


NEOPAGÃOS
Na realidade, o espetáculo foi muito pior do que se temia. Nenhum símbolo cristão, no caso a alusão a alguma mesquita islâmica que, projetada na Basílica de São Pedro, causa certa perturbação.
Foi uma sequência chata e às vezes lúgubre (pelo seu efeito sonoro) de imagens de animais, típicas de uma deificação gnóstica e neopagã da Terra.
Assim, em São Pedro, na festa da Imaculada Conceição, a celebração da Mãe de Deus foi, de preferência, a celebração da Mãe Terra, a fim de propagar a ideologia dominante, essa “religião climatista e ecologista”, neopagã e neomalthusiana que é apoiada pelas grandes potências do mundo.
Uma profanação espiritual (pois também aquele lugar - lembremo-nos - é um lugar de martírio cristão). E uma profanação cultural.
Na verdade, a concentração de solenidade cristã (a Imaculada, o Jubileu, o Natal), em um cenário católico como a Basílica, a colunata de Bernini e o domo de Michelângelo, em solo sagrado banhado pelo sangue de São Pedro e de muitos outros cristãos, teria justificado - no caso - uma grande projeção em tela gigante colocada na praça (não na Basílica) de belas imagens de nossa arte religiosa, talvez acompanhada pela grande música da tradição cristã.
Não um teatro gnóstico e neopagão que tinha uma mensagem ideológica anticristã específica.

ANTICRISTIANISMO
A mensagem foi resumida no título do show, “Fiat Lux”, que soa como um desafio de zombaria e como paródia da Sagrada Escritura onde a expressão “Fiat Lux” é o ato criador de Deus e, depois, a Luz que é Cristo, veio para iluminar a escuridão do mundo (como é dito no Prólogo do Evangelho de São João).
Na realidade, esse show foi o contrário: o “mundo” que projeta luz sobre a Igreja imersa na escuridão. É a Igreja que naquele show recebe luz do mundo. Portanto, uma derrota simbólica e humilhante da fé católica.
Que é precisamente esta a interpretação que deve ser dada ao evento é confirmada em uma passagem da entrevista do Papa Bergoglio a Antonio Spadaro sobre o Concílio, cujo aniversário - que cai somente em 08 dezembro - foi chamado de Jubileu.
O Papa, de fato, disse: “O Vaticano tem feito uma re-leitura do Evangelho à luz da cultura contemporânea”.
Portanto, para Bergoglio seria o mundo (a cultura contemporânea) que ilumina e julga o Evangelho. Em vez disso, a Igreja sempre afirmou o contrário: Cristo é a verdadeira luz que resplandece na face da Igreja e, assim, ilumina o mundo.
Não foi por acaso que um dos documentos fundamentais do Concílio, “Lumen Gentium", começa com estas palavras específicas: “Cristo é a luz da humanidade: o santo Concílio, reunido no Espírito Santo, almeja então, proclamando o Evangelho a toda criatura (cfr. Mc 16,15), iluminar todos os homens com a luz de Cristo que resplandece na face da Igreja”.
Na metáfora da luz há toda uma visão das coisas que indica a direção oposta do pontificado bergogliano em relação ao Concílio Vaticano II e ao constante ensinamento da Igreja.
Além disso, há também uma linguagem de sinais que é muito eloquente.
De fato, na noite de 08 de dezembro, além da Basílica, também o grande Presépio da Praça de São Pedro, na ocasião, desapareceu: para que nunca mais a luz do Menino Jesus perturbe a encenação ritual da nova religião neopagã.

DESPERDÍCIO MILIONÁRIO
Poderia então ser observado que - aplicando os critérios de julgamento de Bergoglio - aquele show deveria ser considerado pela Igreja um desperdício inaceitável de dinheiro que poderia ser gasto de forma mais adequada com os pobres.
Nada significa que o custo do espetáculo é pago por empresas privadas de fora, porque a Santa Sé deveria ter recusado a “doação” e pedir para doar essa quantia aos pobres.
No entanto, isso levanta muitas dúvidas sobre a própria identidade daqueles que ofereceram este “pacote” para a Santa Sé, que, em seguida, dirigiram sem discernimento a coisa toda, colocando à disposição a Basílica e a praça.

PODERES FORTES
Cascioli escreve: “É verdade que foi um ‘presente’ do Banco Mundial (e do seu programa Connect4Climate) e de algumas associações e fundações particularmente interessadas em ecologia, a Vulcan Inc. do cofundador da Microsoft Paul Allen e a Okeanos - Foundation for the Sea, instituições que, não por coincidência, portam o nome de dois deuses pagãos. Para executar a instalação foi o Obscure studio, um nome que é um programa. O objetivo do ‘Fiat Lux’, como declarou em um comunicado da imprensa dos patrocinadores, é ‘para educar e inspirar mudanças em torno da crise climática através das gerações, culturas, línguas, religiões e classes’”.
Portanto, “educar as religiões”. É por isso que eles “eliminaram” a escuridão de São Pedro: uma confirmação do caráter ideológico do espetáculo.
Cascioli também escreve que “o Banco Mundial é ainda a instituição que desde os anos 70 é uma das principais culpadas” dessas políticas para os países pobres, “(empréstimos em programas de intercâmbio para o controle da natalidade), que o papa Francisco também tem denunciado repetidamente. E em consonância com isso estão as outras associações cuja ecologia e controle da natalidade são dois lados da mesma moeda”.

UM PAPA CLIMATOLOGISTA
Infelizmente, o apoio bergogliano insistente e sem críticas à Conferência de Paris (que não compete a um papa), acaba por identificar a mensagem do Jubileu da misericórdia com a batalha sobre a “mudança climática” por causas humanas, cujo fundamento científico, no entanto, é inteiramente questionável.
O maior físico de atmosfera, o “cientista em clima”, em 2007, Richard Lindzen, disse:
 “As gerações futuras vão se perguntar, com espantosa perplexidade, por que o mundo desenvolvido do início do século XXI caiu em pânico histérico devido a um aumento na temperatura média global de alguns décimos de grau. Eles vão querer saber como, com base em exageros grosseiros de projeções altamente incertas de modelos matemáticos, combinadas a cadeias improváveis de interferência, foi levada em consideração a possibilidade de retornar à era pré-industrial”.
É incrível que Bergoglio - sempre independente e crítico da doutrina católica e dos dogmas da Igreja - então vá abraçar de forma acrítica esses dogmas ecológicos que sequer têm base científica verdadeira.
E é intrigante que um papa indique o clima como emergência. A apostasia de povos inteiros de fé no verdadeiro Deus não é um drama que merece apelos mais sinceros? A guerra à família e à vida? O esquecimento de Cristo e a perseguição e o massacre das comunidades cristãs? Não era o caso de lhes dedicar a primeira encíclica, escrita de próprio punho? Por que ele preferiu lidar com répteis e reciclagem de lixo?
Bergoglio é um enigma. Ele diz que não acredita na existência de um “Deus católico”, mas ele acredita no dogma do politicamente correto. Alain Finkielkraut o chamou de “Sumo Pontífice da ideologia jornalística mundial”.

******

Texto de Antonio Socci, escrito em 10 de dezembro de 2015.

***

Tradução e postagem: Portal dos Anjos e das Estrelas da Luz

******


LEIA TAMBÉM:

Vaticano: São Pedro, uma Basílica ultrajada



******


Gostou? Compartilhe esta publicação nas redes sociais

0 comentários:

Postar um comentário