História do Brasil: D. Pedro II do Brasil

Clique aqui para comentar esta publicação



D. Pedro II do Brasil

Após dois dias da expulsão da família imperial, todos seus bens foram saqueados pelos militares e outros leiloados por preços irrisórios. Dona Teresa Cristina morreu em poucos meses (o enterro foi pago por amigos, devido à difícil situação financeira do Imperador), Pedro Augusto teve que ser trancado em uma cabine pois não parava de gritar e tremer. O único que o acalmava era seu avô Pedro II, que entrava na cabine, sentava no chão e o abraçava em prantos, dizendo que tudo ficaria bem. Quando a família imperial chegou a Lisboa uma multidão esperava no porto junto aos seus familiares, onde foi oferecido um palácio e uma voluptuosa fortuna e renda mensal para Pedro. Porém eles não aceitaram qualquer tipo de ajuda financeira dos parentes portugueses, mesmo Pedro tendo o título de Arquiduque em Portugal, Filho do Rei Pedro, Irmão da Rainha Maria da Glória e Tio do reinante da época. Dona Isabel, Conde D’eu e seus três filhos foram para o palácio D’eu, de seu pai o Duque D’eu, na França, onde tiveram uma vida confortável diante da fortuna que a família D’eu possuía. Pedro II e Pedro Augusto partiram para o centro de Paris, aonde se hospedaram em um simples hotel de 3 estrelas, pago por um grande amigo de Pedro, que viajou logo em seguida para Europa quando soube do acontecido. Pedro Augusto preferiu ficar em uma casa de uma amiga íntima de Freud, que tinha grande estima pelo rapaz, um lugar maior e mais sossegado para acalmar o sofrido jovem. A casa ficava a dois quarteirões do hotel aonde Pedro se hospedara, então as visitas de seu avô eram diárias, onde levava seu neto aos museus e bibliotecas da Cidade Luz.


Tudo parecia que estava em formação, uma nova realidade para todos, e a vida continuava. Pedro adorava dar aulas na principal biblioteca de Paris para universitários, de história, geografia, botânica, grego e inglês. Sua rotina se resumia em acordar bem cedo, preparar suas aulas, ir para biblioteca, visitar exposições, visitar amigos, tomar café pela tarde e ler até cinco livros em uma única madrugada. Pedro adorava traduzir de forma perfeita as maiores obras literárias para o português, e foi o Primeiro a traduzir a obra “Mil e uma Noites” do árabe original para o português do Brasil. A relíquia encontra-se na biblioteca nacional de Coimbra em Portugal.

Em 1890, uma pneumonia instalou-se em seus pulmões, o limitando a ficar na cama de solteiro de seu quarto, escrevendo seus amados contos e poesias e lendo seus livros preferidos. Alguns meses após a doença e tratamento sem bons resultados, morrera naquela cama sozinho, com um saco de areia da praia de Copacabana em seu bolso. O velório foi digno de um imperador da França, devido a tal prestigio que Pedro gozava entre os intelectuais e nobres da Europa. Um cortejo de mais de 500 mil pessoas tomou a rua de Paris, e todas as honras monárquicas foram feitas pelo governo Francês. Um fato histórico, pois nunca Paris tinha se mobilizado tanto, nem mesmo por falecimento de governantes locais. Reis, Rainhas, nobres, burgueses de todo o mundo estavam presentes no velório e no cortejo, como a Rainha Vitória da Inglaterra, o presidente dos Estados Unidos e centenas de amigos intelectuais como o próprio Freud e o filósofo Friedrich Nietzsche.

O Governo Militar Ditatorial brasileiro revoltou-se com o tamanho da comoção mundial em volta do falecimento de Pedro II, rompendo acordos diplomáticos com a França, Inglaterra e Alemanha. Nenhum representante do novo governo brasileiro foi mandado para o enterro do expulso imperador. A mídia, fechada pelos militares no Brasil, não pôde ao menos noticiar o falecimento do monarca. A grande maioria do povo brasileiro só soube do acontecido três meses depois.


***

Fonte: Diário Barão e Baronesa de Loreto, Museu Imperial de Petrópolis, Biblioteca Nacional RJ.

Publicado em 06 de dezembro de 2015

******



Gostou? Compartilhe esta publicação nas redes sociais

0 comentários:

Postar um comentário