1

Político Russo Denuncia Os Crimes de Lênin e Stalin e Detona os Comunistas no Parlamento legendado & documentários primorosos sobre as atrocidades de Lênin e Stalin & O HORROR DO COMUNISMO

Clique aqui para comentar esta publicação


"O PIOR criminoso de TODA a humanidade! O vosso Lênin!"
Um inflamado discurso anti-comunista do líder do Partido Liberal-Democrata da Rússia, Vladimir Zhirinovisky, no Parlamento da Federação Russa.


"(...) O primeiro marido da minha mãe, um oficial do Comitê de Emergência, levou camponeses russos para a Sibéria! Ao voltar ele vomitava pela casa! E dizia: "Homens russos saudáveis e fortes! ... Fomos à Sibéria, abrimos os vagões aquecidos e eles foram largados na Taiga! Na neve! Os que conseguiram pegar um machado fizeram refúgios! Esses sobreviveram! Todos os outros morreram!" (...) Até mesmo os oficiais do Comitê de Emergência enlouqueceram com o terror vermelho que vocês - comunistas - cometeram! (...)"


Tradução feita as pressas a partir de uma versão em língua inglesa feita por um russo.






Um inflamado discurso anti-comunista do líder do Partido Liberal-Democrata da Rússia, Vladimir Zhirinovisky, no...
Posted by Francis Lauer on Sábado, 8 de agosto de 2015



Recomendo esses documentários primorosos sobre as atrocidades de Lênin e Stalin: 

MAGADAN - O PARQUE DO DIABO COMUNISTA
Com testemunho dos sobreviventes dos Gulags de Stalin.

 
MAGADAN: O Parque de Diversão do Diabo (parteI) from Ajuda à Igreja que Sofre on Vimeo.
Magadan, uma cidade portuária no mar de Okhotsk, no Extremo Oriente da Sibéria, fica a cerca de 1500 km da cidade mais próxima. Mantida pelos ricos minerais provenientes da cordilheira Kolyma, Magadan é hoje o maior porto de águas profundas no Nordeste da Rússia, exportando ouro, prata, estanho e petróleo. A beleza rústica de Magadan, revela no entanto uma história sombria. A cidade era o centro administrativo dos campos de extermínio de Stálin, os gulags, um vasto sistema de campos de trabalho e prisões na Sibéria onde milhões foram presos e morreram de fome ou foram executados entre 1932 e 1954. Estima-se que 2 milhões de pessoas perderam suas vidas. Pe. Michael Shields, um padre missionário americano, está lá para servir os reprimidos, os últimos dos sobreviventes do Gulag deixados em Magadan.





Magadan - Parte II from Ajuda à Igreja que Sofre on Vimeo.




A GEÓRGIA HOJE (REGIÃO ONDE STALIN NASCEU)


Geórgia: Uma Terra a ser Descoberta (I) from Ajuda à Igreja que Sofre on Vimeo.
A Geórgia fica localizada na região do Cáucaso, rodeada pela Rússia, Armênia, Turquia, Azerbaijão e o Mar Negro banha a sua costa oeste. O início do Cristianismo na Geórgia remonta ao primeiro século, quando os primeiros apóstolos chegaram e estabeleceram comunidades cristãs. Mas foi graças à Sta Nina e aos Reis Mirian e Nana que o país se tornou cristão - há mais de 1.600 anos. Depois de divisões e invasões ao longo dos séculos, a Geórgia foi incorporada à União Soviética. Com o comunismo instaurado, por mais de 70 anos viveram “sem Deus”. As Igrejas ficaram fechadas e era perigoso dizer que era um fiel. Hoje, depois de uma grande perseguição e opressão, os católicos são apenas 50 mil.



Geórgia: uma terra a ser descoberta (II) from Ajuda à Igreja que Sofre on Vimeo.

Em 1991, com a dissolução da União Soviética, a Geórgia se tornou independente. Mas, ressurgia uma nação arruinada, com a economia desintegrada, o colapso da saúde, o desemprego e pobreza. Com a liberdade de religião instaurada, a Igreja Católica renasceu gradualmente. Sem nenhuma vocação local, vieram principalmente padres da Itália e da Polônia para reconstruir as paróquias arruinadas. Hoje há somente um padre Georgiano ordenado e a Igreja, nos seus esforços para se aproximar dos fiéis dispersos, depende amplamente do trabalho dos catequistas, que no período comunista era só um para todo o país.
 


O COMUNISMO CHINÊS E A LUTA CONTRA O HOMEM, A TERRA E O CÉU (Entrevista dos editores do The Epoch Times, jornal da resistência anti-comunista)
Áudio: Ementa com os tópicos abordados: http://bit.ly/1MWXnJp



"(...) Por que razão a religião judaica é a mais perseguida? Na abundante literatura ateia contra o judaísmo acha-se, na realidade, uma resposta bastante clara.

Os ideólogos soviéticos sustentam, em primeiro lugar, que a religião judaica é a MÃE DAS GRANDES RELIGIÕES, quer dizer, do cristianismo e do islamismo. O cristianismo foi gestado nas entranhas do judaísmo, dele nasceu e se desenvolveu no seu seio. O islão sofreu a influência do judaísmo, em seu começo. PARA COMBATER AS GRANDES RELIGIÕES É PRECISO COMBATER, ANTES DE MAIS NADA, A RAIZ QUE AS SUSTENTA, PORTANTO O JUDAÍSMO.

Além disso, os soviéticos argumentam que, embora todas as outras religiões sejam retrógradas e corruptas, pelo menos não convocam seus fiéis à emigração. A Igreja Ortodoxa proclama o reino dos céus, a redenção da alma e a fé na Trindade, porém não induz os seus fiéis a abandonar Zagorsk ou Moscou. A Igreja Católica não exige que seus sequazes de Vilna, por exemplo, se transfiram para o Vaticano. O muçulmano crente é obrigado a rezar com o rosto voltado para Meca, porém não faz nenhuma campanha entre seus fiéis para que emigrem e se instalem na Arábia Saudita. O judaísmo, pelo contrário, alegam os ideólogos -- não só é uma RELIGIÃO REACIONÁRIA, como também proclama a lealdade a uma 'segunda pátria espiritual', chegando a estimular a emigração para um país que se encontra fora da União Soviética.

Em resumo, a religião judaica é, antes de mais nada, SIONISTA E SEUS PROFETAS SÃO PREGADORES SIONISTAS. Isaias, Jeremias, Amos, Ezequiel e seus congêneres pregam o retorno a Sion e a Jerusalém. O livro de orações dos judeus obriga o fiel a orar três vezes por dia pelo retôrno a Jerusalém, e o que é que um cidadão soviética de nacionalidade judia, que mora em Cracóvia ou em Bucara, tem a ver com Jerusalém? Por que ele tem que rezar, implorando a seu Deus que o tire da União Soviética e o leve para uma pequena cidade, num pequeno país do Oriente Médio? E o que é pior, esse judeu pretende inculcar em seus filhos, leais cidadãos da União Soviética e educados pelo regime comunista, que êles também orem pelo retôrno a Jerusalém. Trata-se, pois, de uma flagrante PROPAGANDA ANTI-SOVIÉTICA QUE, COM O PRETEXTO DA RELIGIÃO, PREGA NADA MENOS DO QUE A FUGA DA UNIÃO SOVIÉTICA (...)

Além disso, os soviéticos sustentam que a religião judaica é particularmente perigosa, pois, segundo seus princípios, os judeus de todas as partes são irmãos, solidários entre si. Se "toda Israel é uma confraria", é preciso admitir uma ESPÉCIE DE VINCULAÇÃO MÍSTICA ENTRE O JUDEU DE MOSCOU E O JUDEU DE NOVA YORK; entre o judeu de Jabrobsk e o judeu de Los Angeles; entre o judeu de Leningrado e o judeu de Johannesburgo, e, naturalmente, entre tôdos juntos e os judeus de Telavive, ou Jerusalém (...)"
--- Ari Benami. Entre a Foice e o Martelo. O Problema dos Judeus na URSS. P. 56 e seguintes.

Grifos meus.
Extraído de: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10202420292540863&set=pb.1600107794.-2207520000.1439169775.&type=3&permPage=1

A PERSEGUIÇÃO AOS MUÇULMANOS SOVIÉTICOS:
Documentário que conta a história do Islã na Rússia e o modo como os muçulmanos foram sistematicamente perseguidos.

São 4 partes.  


ALBÂNIA - "O PRIMEIRO PAÍS TOTALMENTE ATEU NO MUNDO"
Antes do comunismo 70% dos albaneses eram Muçulmanos e 30% eram Cristãos (Ortodoxos e Católicos). Ninguém escapa do ódio diabólico do comunismo!

"(...) O Bispo Ernesto Coba morreu espancado em 1979, aos 80 anos de idade, em um campo de concentração porque tinha tentado celebrar a Santa Missa durante a Páscoa (...)"

Albânia: Cristo no bunker

  • Escrito por  Eva-Maria Kolmann
  • Domingo, 18 Novembro 2012

Um dos milhares de bunkers da Albânia. Um dos milhares de bunkers da Albânia.
 
O ditador Enver Hoxha foi o homem que tirou Deus dos albaneses e construiu-lhes os bunkers, uma espécie de forte subterrâneo, onde os católicos celebravam a Santa Missa. Ele comandou entre 1944 e 1985 um regime estalinista de terror. Também perseguiu cruelmente toda prática religiosa mandando construir mais de 750.000 bunkers, os quais durante decênios arruinaram a paisagem deste país do sudeste europeu. O objetivo era que houvesse uma dessas estruturas subterrâneas de proteção para cada quatro habitantes do país. Entretanto, estas não estavam tão destinadas a proteger a população quanto a demonstrar o poder onipotente e onipresente do paranoico ditador. Onde Deus é declarado morto, o medo produz monstros.

Desde a mudança política muitos dos bunkers foram destruídos; entretanto, alguns são empregados para novos usos: como um extravagante alojamento para turistas, por exemplo; outros, no entanto são usados como igrejas. Assim, no ano 2000, os franciscanos conventuais eslovacos de Jaru, ao sul da Albânia, transformaram um bunker de concreto em um templo, porque ali não havia nenhuma igreja católica. Parece um sinal especial da Providência que precisamente ali, um bunker fosse transformado em uma igreja, porque em Jaru, durante a ditadura de Hoxha, encontrava-se uma base militar e no povoado vizinho de Shtylass, um campo de concentração para prisioneiros políticos.

Se fosse na época comunista, com a grande cruz que os padres levantaram junto à entrada do bunker para que este seja reconhecido como igreja desde uma certa distância, os sacerdotes teriam assinado a própria sentença de morte. Até mesmo quem pendurasse um crucifixo entre as quatro paredes da própria habitação era punido com a morte, sem mencionar o que causaria o uso deste em espaço público. Entretanto, hoje em dia, nas paredes nuas do bunker, encontram-se as estações da Via-Crúcis; atrás do altar eleva-se uma cruz e uma imagem da Virgem. Na parede ao fundo do templo foi pendurado um pano de fundo azul.

A ordem franciscana foi proibida na Albânia em 1947: mais de 30 franciscanos sofreram o martírio. Os franciscanos conventuais que hoje vivem ali são missionários procedentes do exterior, igual à maioria dos outros sacerdotes católicos. Ainda levará tempo até que a Igreja católica possa caminhar com as próprias pernas. O clero nativo foi executado em grande parte; outros morreram como consequência dos maus-tratos. Quando a perseguição chegou ao seu ápice e, em 1967, foi terminantemente proibida por lei toda prática religiosa, as 268 igrejas católicas, assim como as 2.000 igrejas e monastérios ortodoxos, e as mesquitas locais, foram fechados, destruídos ou passaram a ser usados para fins alheios, por exemplo, como pavilhão esportivo. Milhares de fiéis sofreram torturas e foram levados para campos de concentração, ou foram assassinados. Por exemplo, em 1971 foi executado no campo de Lushnja o sacerdote Stjefen Kurti, de 74 anos de idade. “Ele morreu pela bala de um carrasco por ter pronunciado sobre um menino as palavras que constituem o documento mais antigo conservado da língua albanesa: ‘Eu te batizo em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo’”, escreve o historiador Rudolf Grulich.

O Bispo Ernesto Coba morreu espancado em 1979, aos 80 anos de idade, em um campo de concentração porque tinha tentado celebrar a Santa Missa durante a Páscoa. O seguinte prelado, o Cardeal Mikel Koliqi, foi um dos poucos pastores que sobreviveram à prisão em um campo. Foi detido em 1946 e condenado a trabalhos forçados em terrenos pantanosos, infectados de malária. Durante quarenta anos passou penalidades em campos de concentração e cárceres, mas transmitiu a fé em segredo. Morreu em 1997 com a idade de 94 anos.

Também no sul da Albânia houve cristãos valentes que transmitiram a fé. Rezavam às escondidas; enterravam os sinos, as imagens de Santos e o Santíssimo Sacramento para protegê-los de profanações. Apesar dessa valente fidelidade à fé, as muitas décadas de domínio ateu deixaram rastros profundos. Quando o franciscano conventual eslovaco Jaroslav Car chegou em 2000 a Jaru, a maioria de seus habitantes jamais havia visto um sacerdote. Quando o padre chegava com seu hábito e sua barba, as crianças corriam atrás dele gritando: “Jesus chegou”. Este grito contém uma verdade profunda, pois o padre Jaroslav e seus irmãos realmente levaram Jesus a Jaru. Eles tiveram que começar do zero com seu trabalho pastoral, pois várias gerações tinham crescido sem Deus e nem sequer sabiam fazer o sinal da cruz. Mas o seu trabalho produziu frutos: hoje em dia, a paróquia conta com várias centenas de fiéis.

Enver Hoxha morreu. Cristo vive e se instalou nos bunkers construídos por um ditador paranoico, e entrou nos corações das pessoas a quem, durante décadas, Deus foi-lhes negado. O padre Werenfried van Straaten, fundador da Associação Internacional “Ajuda à Igreja Que Sofre” acreditava na queda do comunismo numa época em que, no Ocidente, todos estavam convencidos de que os regimes do Leste da Europa não vacilariam tão cedo. Já nos anos sessenta e setenta do século passado repetia uma e outra vez: “Os retratos gigantescos dos modernos Golias que desde todos os Kremlins olham desafiadores para as multidões, serão destroçados e seus ossos se tornarão pó.

Os retratos cederão seu lugar aos ícones e por toda a eternidade será certo o que, no dia da Páscoa, a Igreja põe nos lábios de Cristo e nos nossos: ‘ressuscitei e estou ainda convosco, aleluia. Conduz-me pela mão, aleluia. Sua sabedoria é maravilhosa, aleluia, aleluia’”.

Atualmente, a fé experimenta um florescimento, sobretudo entre os católicos; embora ainda sejam uma minoria relativamente pequena da população, os fiéis são jovens em sua maioria. Em geral, a idade média da população albanesa é de pouco mais de 30 anos; por isso, as igrejas estão cheias de jovens. Em 2011, a “Ajuda à Igreja Que Sofre” auxiliou projetos na Albânia com 211.375 Euros.

Última modificação em Sexta, 16 Novembro 2012 

Extraído de: http://www.ais.org.br/noticias/item/443-alb%C3%A2nia-cristo-no-bunker


A DESTRUIÇÃO EMOCIONAL DO POVO VIETNAMITA PELO COMUNISMO

A imposição da ideologia socialista-comunista causou uma transformação profunda no temperamento e no comportamento do povo vietnamita. Narrou o Sr. Hoang Van Chi:
"(...) Em lugar de serem como antes, um povo comunicativo e de coração aberto, eles [os norte-vietnamitas] se tornaram muito reservados e quietos. Nos restaurantes ou cantinas as pessoas comiam em silêncio, e somente trocavam um sorriso inócuo ao se encontrarem na rua. A opinião comum os descreve como 'mais fleumáticos que os britânicos' e 'mais discretos que os japoneses'. Como estes dois povos, os vietnamitas se tornaram, de fato, uns 'ilhéus', mas no sentido que cada um deles se tornou uma 'ilha' separada com quase nenhuma comunicação com as outras 'ilhas' circunvizinhas, seus concidadãos. Cada um se fecha dentro de si mesmo e só se comunica com os outros em caso de extrema necessidade. Uma prática comum, mesmo entre os membros mais altos do partido, consiste em uma classificação secreta de seus parentes, amigos, colegas e conhecidos em uma destas duas categorias: aqueles que poderão delatar qualquer ponto de vista não-conformista para outra pessoa; e aqueles que, após alguns testes cautelosos, serão serão inteiramente dignos de confiança. Se alguém é obrigado a expressar sua opinião (...) o mais aconselhável é repetir os pontos de vista do partido [tal] como foi declarado em sua mais recente publicação (...)"

--- Do Colonialismo ao Comunismo. Pg. 153.

Transformação semelhante está sendo imposta ao Brasil. Aquilo que a esquerda brasileira tem feito ao longo das últimas 5 décadas não difere muito daquilo que a esquerda vietnamita (e chinesa) fez no Vietnã. O diferencial é a intensidade. A tática utilizada no Brasil é mais suave, portanto, menos perceptível ao olhar destreinado e por isso mesmo mais insidiosa e venenosa, mais intoxicante. Parte da esquerda brasileira faz esforços em maquiar essa transformação refugiando-se num "brasileirismo" caricatural. Uma picaretagem que nada -- ou muito pouco -- tem a ver com o brasileiro tradicional e que é repleta de incongruências e paradoxos.

Photo by Jack GAROFALO




ESPANCADA E MORTA AOS SEIS ANOS DE IDADE. MOTIVO? CINCO GRÃOS DE MILHO. A REALIDADE DOS CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO DA CORÉIA COMUNISTA - HOJE. O testemunho de um sobrevivente.
 "(...) O professor iniciou uma busca surpresa. Revisou os bolsos de Shin e os dos outros quarenta meninos de seis anos de sua turma. Terminada a busca, o professor tinha em mãos cinco grãos de milho. Eles pertenciam a uma menina baixa, frágil e, na lembrança de Shin, excepcionalmente bonita. Ele não se lembra do seu nome, mas tudo mais que aconteceu na escola naquele dia de junho de 1989 ressalta na sua lembrança. O professor estava de mau humor quando começou a revistar bolsos. Ao achar o milho, explodiu:
--- Sua p#ta¹, você roubou milho? Quer que cortem suas mãos?
Ele ordenou que a menina ficasse na frente da classe e se ajoelhasse. Brandindo sua comprida vara de apontar, golpeou-a várias vezes na cabeça. Enquanto Shin e os colegas observavam em silêncio, protuberâncias brotaram-lhe no crânio. Sangue escorria-lhe do nariz. Ela tombou no piso de concreto. Shin e vários outros colegas a levantaram e a levaram para casa, uma fazendo de porcos que não ficava longe da escola. Mais tarde naquela noite, a menina morreu. O inciso três da terceira regra do Campo 14 dizia: "Qualquer pessoa que furte ou esconda qualquer alimento será fuzilada imediatamente".
(...)
Ele tinha sido treinado por guardas e professores para acreditar que era surrado porque merecia --- em razão do sangue traiçoeiro que herdara dos pais. A menina não era diferente. Sua punição pareceu-lhe justa e lícita, e ele nunca se zangou com o professor por tê-la matado. Acreditava que os colegas de classe sentiam o mesmo.
No dia seguinte, na escola, nenhuma menção foi feita à surra. Nada mudou na sala de aula. Até onde Shin soube, o professor não foi castigado por suas ações.
Shin passou cinco anos da escola primária com esse mesmo professor, que tinha trinta e poucos anos, usava uniforme e levava uma pistola num coldre no quadril. (...) Shin nunca soube o seu nome (...)"

- Fuga do Campo 14. Cap. II.
¹P#ta é o qualificativo comumente utilizado para se referir às mulheres nos Campos de Concentração da Coréia do Norte. Filho da p#ta é utilizado para os homens.
Eis o paraíso. O estado é laico. A sociedade é socialista e igualitária. As mulheres tem os mesmos direitos que o homem: nenhum.
 

Gostou? Compartilhe esta publicação nas redes sociais

Um comentário:

  1. ESTE É O SONHO COMUNISTA DO LULA_PT _ DILMA E ISEUS IGUAIS PARA O NOSSO PAÍS ! SEM EXAGEROS ! LEIAM E TIREM SUAS PRÓPRIAS CONCLUSÕES ! VEJAM O RESULTADO EM CUBA , VENEZUELA , E OREM POR SEUS PAÍS , BRASIL !

    ResponderExcluir