UM ALERTA DO CANADÁ & Agora foi uma lei que você concorda? E quando for uma da qual você discorda? & SUCESSO NACIONAL

Clique aqui para comentar esta publicação


Apagando através da força legal a paternidade biológica, o Estado ignora um dos direitos mais básicos das crianças: o direito imutável, inalienável e intrínseco de conhecerem e serem formados pelos seus pais biológicos.
Você sabia que o Canadá é um dos primeiros países do mundo a reconhecer legalmente o casamento homossexual? Isso já faz mais de 10 anos! Muitas pessoas acreditam que o casamento homossexual apenas equipara direitos e não fere a liberdade de ninguém. Na realidade, ele redefine o próprio conceito de matrimônio, paternidade, educação e acaba tendo consequências muito práticas da vida de todo cidadão. O casamento gay é apenas a primeira linha de uma longa agenda ativista de metas que visa em última instância uma reorganização de toda a sociedade. Se você acha que isso não é do seu interesse, talvez se surpreenda com o relato abaixo.


Fonte: http://www.thepublicdiscourse.com/2015/04/14899/


Tradução livre.

Um alerta vindo do Canadá

Nos é dito todos os dias que “permitir a casais do mesmo sexo o acesso a designação de casamento não irá retirar o direito de ninguém”. Isto é uma mentira.

Quando o casamento entre pessoas do mesmo sexo foi legalizado no Canadá em 2005, a paternidade foi imediatamente redefinida. A Lei do Casamento Gay Canadense (Bill C-38) incluiu a determinação de apagar o termo “paternidade biológica” e a substituir por todo o país com o termo “paternidade legal” através de uma lei federal. Agora todas as crianças possuem apenas “pais legais”, como definido pelo Estado. Apagando através da força legal a paternidade biológica, o Estado ignora um dos direitos mais básicos das crianças: o direito imutável, inalienável e intrínseco de conhecerem e serem formados pelos seus pais biológicos.

Pais e mães trazem a seus filhos dons únicos e complementares. Muito ao contrário da lógica do casamento entre pessoas do mesmo sexo, a identidade sexual dos pais importa muito para um desenvolvimento saudável das crianças. Sabemos, por exemplo, que a maioria dos homens encarcerados não tiveram a companhia de seus pais em casa. Pais pela sua própria natureza e identidade são seguros, estimulam disciplina e traçam limites, apontam direções claras ao mesmo tempo que sabem assumir riscos, se tornando assim um exemplo aos seus filhos para toda a vida. Mas pais não podem gerar crianças num útero, dar a luz e amamentar bebês em seus peitos. Mães criam seus filhos de uma maneira única e de uma forma tão benéfica que não podem ser replicados pelos seus pais.

Não é preciso um cientista espacial para sabermos que homem e mulher são anatomicamente, biologicamente, fisiologicamente, psicologicamente, hormonalmente e neurologicamente diferentes entre sí. Essas características únicas proporcionam benefícios perenes para suas crianças e não podem ser replicados por “pais legais" do mesmo sexo, mesmo quando esses se esforcem para agir em diferentes papéis numa clara tentativa de substituir a identidade sexual masculina ou feminina faltante nesta casa.

Com efeito, o casamento entre pessoas do mesmo sexo não apenas priva crianças de usufruir seu direito a paternidade natural, mas dá ao Estado o poder de sobrepor a autonomia dos pais biológicos, o que significa que os direitos dos pais foram usurpados pelo governo.

Crianças não são produtos que podem ser retirados de seus pais naturais e negociados entre adultos desconexos. Crianças em lares com pais homossexuais irão frequentemente negar sua aflição e fingir que não sentem falta de dos seus pais biológicos, se sentindo pressionados a falar positivamente graças as políticas LGBTs. Contudo, quando uma criança perde um de seus pais biológicos devido a morte, divórcio, adoção ou a reprodução artificial, eles experimentam um vazio doloroso. Foi exatamente isso quando nosso pai homossexual trouxe seu parceiro do mesmo sexo para dentro de nossas vidas. Seus parceiros não poderão nunca substituir a ausência de um pai biológico.

No Canadá, é considerado discriminatório dizer que casamento é entre homem e mulher ou até que cada criança deveria conhecer e ser criado por seus pais biológicos unidos em casamento. Não é apenas politicamente incorreto, você também pode ser multado legalmente em dezenas de milhares de dólares e mesmo forçado a passar por “tratamentos de sensibilidade”.

Qualquer pessoa que se sentir ofendido por qualquer coisa que você tenha dito ou escrito pode fazer uma reclamação para a Comissão de Direitos Humanos ou mesmo nos Tribunais de Justiça. No Canadá, essas organizações fiscalizam o que é dito, penalizando cidadãos por qualquer expressão contrária a um comportamento sexual em particular ou a grupos protegidos identificados como de “orientação sexual”. Basta uma única queixa contra uma pessoa para que esta seja intimada diante de um tribunal, custando ao acusado dezenas de milhares de dólares em taxas legais pelo simples fato de ter sido acusado. Essas comissões possuem poder para entrar em residências privadas e a remover qualquer item pertinente as suas investigações em busca de evidências de “discurso de ódio”.

O acusador que faz a queixa tem todas as suas custas processuais pagos pelo governo. Mas não o acusado que faz a sua defesa. E mesmo que este prove sua inocência ele não pode ter reembolso das custas processuais. E se é condenado, também precisará pagar por danos à pessoa que fez a queixa.

Se as suas crenças, valores e opiniões políticas forem diferentes daquelas endossadas pelo Estado, você assume o risco de perder sua licença profissional, seu emprego e até mesmo seus filhos. Veja o caso do grupo Judeu-Ortodoxo Lev Tahor. Muitos dos seus membros, que estiveram envolvidos numa batalha sobre a custódia de crianças aos cuidados de serviços de proteção tiveram de deixar a cidade de Chatham, Ontario, para a Guatemala em março de 2014, como uma forma de escapar da perseguição jurídica contra suas crenças religiosas, que não estava de acordo com as políticas regionais sobre educação religiosa. Dos mais de 200 membros deste grupo religioso, restaram apenas 6 famílias na cidade de Chatham.

Pais podem esperar interferência estatal quando se trata de valores morais, paternidade e educação - e não apenas lá nas escolas. O Estado tem acesso a sua casa para supervisionar você como pai para julgar sua adequação educativa. E se o Estado não gostar do que você está ensinando aos seus filhos, o Estado irá fazer o necessário para remover seus filhos de sua casa.

Professores não podem fazer comentários em suas redes sociais, escrever cartas para editores, debater publicamente, ou mesmo votar de acordo com suas consciências mesmo fora do ambiente profissional. Eles podem ser “disciplinados”, sendo obrigados a participar de aulas de re-educação ou mesmo de treinamentos de sensibilidade, quando não acabam demitidos por seus pensamentos politicamente incorretos.

Quando o casamento entre pessoas do mesmo sexo foi criado no Canadá, a linguagem de gênero-neutro se tornou legalmente obrigatório. Essa “novílingua” proclama que é discriminatório assumir que um ser humano possa ser masculino ou feminino, ou mesmo heterossexual. Então, para ser inclusivo, toda uma nova linguagem de gênero-neutro passou a ser usado pela mídia, pelo governo, em ambientes de trabalho, e especialmente em escolas, que querem evitar a todo custo serem recriminadas como ignorantes, homofóbicas ou discriminatórias. Um curriculum especial vem sendo usado em muitas escolas para ensinar os alunos como usar apropriadamente a linguagem do gênero-neutro. Sem o conhecimento de muitos pais, o uso de termos que descrevem marido e esposa, pai e mãe, dia dos Pais e das Mães, e mesmo “ele” e “ela” estão sendo radicalmente erradicados das escolas canadenses.

Organizadores de casamento, donos de salões de festas, proprietários de pousadas, floristas, fotógrafos e boleiros já viram suas liberdades civis e religiosas bem como seus direitos a objeção de consciência destruídas no Canadá. Mas isso não está reduzido apenas a indústria do casamento. Qualquer empresário que não tiver uma consciência em linha com as decisões do governo sobre orientação sexual e suas leis de não-discriminação de gênero, não terá permissão de influenciar suas práticas profissionais de acordo com suas próprias convicções. No final das contas, é o Estado quem basicamente dita o que e como os cidadãos podem se expressar.

A liberdade para pensar livremente a respeito do casamento entre homem e mulher, família e sexualidade é hoje restrita. A grande maioria das comunidades de fé se tornaram “politicamente corretas” a fim de evitar multas e cassações de seus status caritativos. A mídia canadense está restrita pela Comissão Canadense de Rádio, Televisão e Telecomunicações. Se a mídia publica qualquer coisa considerada discriminatória, suas licenças de transmissão podem ser revogadas, bem como serem multadas e sofrerem restrições de novas publicações no futuro.

Um exemplo de cerceamento e punição legal sobre opinões discordantes a respeito da homossexualidade no Canadá envolve um caso chamado Case of Bill Whatcott, que foi preso por “discurso de ódio” em abril de 2014 após este distribuir panfletos com críticas ao comportamento homossexual. Independente se você concorda ou não com o que este homem disse, você deveria se horrorizar a este ato de sanção estatal. Livros, DVDs e outros materiais também podem ser confiscados nas fronteiras canadenses se tais conteúdos forem considerados “odiáveis”.

Os americanos precisam se preparar para o mesmo tipo de vigilância estatal se sua Suprema Corte decidir legislar e banir o casamento como uma instituição feita entre homem e mulher. Isso significa que não importa o que você acredite, o governo terá toda liberdade para regular suas opiniões, seus escritos, suas associações e mesmo se você poderá ou não expressar sua consciência. Os americanos precisam entender que a meta final para muitos ativistas do movimento LGBT envolve um poder centralizado estatal - e o fim das liberdades previstas na primeira emenda constitucional.

Dawn Stefanowicz é autora e palestrante internacional. Ela foi criada por pais homossexuais, e foi ouvida pela Suprema Corte Norte Americana. Ela é membro do Comitê Internacional de Direito Infantil. Seu livro, Out from Under:

O impacto da paternidade homossexual, está disponível em http://www.dawnstefanowicz.org/
Extraído de: http://www.veritatis.com.br/

O que aconteceu na América hoje, que te fez ficar tão feliz caso você defenda o casamento civil gay, é o chamado ATIVISMO JUDICIAL, ou seja, quando juízes, que não são escolhidos pelo povo (é um cargo técnico) LEGISLAM, ferindo a separação entre poderes: fizeram uma decisão de gabinete que vale para todo o país, ferindo também a autonomia dos estados.

Autor: Flavio Morgenstern


QUERIDO POVO DO ARCO-ÍRIS que infelizmente vive de Direito positivista, uma das piores invenções da humanidade, aulinha rápida pra vocês, chuchus: num Direito consuetudinário como o americano (todos de pé, por favor: LAND OF THE FREE AND HOME OF THE BRAVE), toda decisão vira jurisprudência, e como são tácitos no uso de leis, as decisões seguintes são muito mais focadas em decisões passadas (usos e costumes) do que em criar novas leis, como a gente faz.

Você pode ser anti-americano o quanto quiser (e aprendeu isso certamente com filmes americanos, que sempre dizem que filmes americanos são ruins e você não deve ver cinema americano - como é doce a liberdade!), mas este sistema deles é melhor do que nosso. Um trombadinha, no nosso Direito, vai cumprir o que está na lei: 6 meses a 2 anos por furto, por exemplo. Um ladrão mais porrada pode pegar 6 meses, um pivetinho pegar 2 anos. Tá na lei, é positivo, acabou.

Num Direito consuetudinário, você sempre pode alegar: "Olha aqui essa decisão, você já puniu menos quem fez menos" e voilà! Justiça! Pegou? Então segure a informação.

Os Estados Unidos têm esse pré-nome (o nome do país é AMÉRICA) porque são uma federação (nós temos o nome de federação, mas NÃO SOMOS). Isso significa que são estados decidindo coisas diferentemente, evitando leis federais, pois aí você não tem escapatória da lei.

Em outras palavras, uma lei é ruim, muito direitista pra você que é esquerdista, muito esquerdista pra você que é de direita? Você tanto pode picar a mula prum estado vizinho, sem grandes conflitos culturais, como pode comparar, dentro da mesma jurisdição federal, um estado com outro e forçar que uma lei seja destruída em favor do que funcionou melhor em outro estado.

Viu outra vantagem de evitar leis federais a qualquer custo e só usá-las em ÚLTIMO CASO? Pode ir pensando agora em hastear aquela bandeira americana brother no seu quarto sem medo, porque alienação mesmo é odiá-la sem entender isso.

O que aconteceu na América hoje, que te fez ficar tão feliz caso você defenda o casamento civil gay, é o chamado ATIVISMO JUDICIAL, ou seja, quando juízes, que não são escolhidos pelo povo (é um cargo técnico) LEGISLAM, ferindo a separação entre poderes: fizeram uma decisão de gabinete que vale para todo o país, ferindo também a autonomia dos estados.

Americanos odeiam isso, não porque são imperialistas loucos, mas porque sabem que isso é tirania federal: de uma lei ruim federal você só escapa fugindo do país, trocando completamente de cultura, língua, região etc. Vide nossas péssimas leis de péssimos políticos.

Ah, mas você concorda com a lei, então bora comemorar? Então lute para que os 50 estados defendam o casamento gay (como foram fazendo com o divórcio), mas NÃO DEFENDA UMA DECISÃO FEDERAL IMPOSTA DE CIMA PARA BAIXO FERINDO A AUTONOMIA DE TODOS OS ESTADOS.

Sabe por quê? Porque você não tá gerando só jurisprudência para "casamento gay" (nem vai precisar mais agora), e sim jurisprudência para o poder federal IMPOR LEIS por cima dos estados.

Agora foi uma lei que você concorda? E quando for uma da qual você discorda?

Se quer mexer com as definições de família assim, que tal quando os muçulmanos americanos tiverem o mesmo poder de lobby dos franceses, e quiserem a POLIGAMIA reconhecida como uma forma de família, com as mulheres recebendo bem menos (e dividindo entre si) os dividendos familiares na hora do seguro social e da aposentadoria, que fica só pro marido? "Ah, naquele dia do casamento gay pôde e todo mundo comemorou, então vamos entubar essa também!"

Que tal quando uma causa que você julgue "direitista demais", incluindo as igualmente extremamente populares, como pena de morte, abolição da maioridade penal etc, forem decididas da mesma forma, federalmente, de cima pra baixo, calem a boca, estados, agora é tudo federal?

Entenderam o problema dessa TROLHA popular de agora, que vai gerar um problemão extremamente impopular pra você que discorda de um monte de coisa lá pra frente, num sistema corretamente baseado em costumes, e não em leis que podem dar errado?

Então, amiguinhos, pensem duas, três, milhões de vezes antes de aderir à próxima modinha tão somente pelas boas intenções e pesquisem porque as pessoas de quem vocês discordam pensam diferentemente de vocês.

Às vezes, os malvadões cretinos apenas notam conseqüências imprevistas onde você ainda só enxergou as boas intenções.

Agora pode colar essa imagem no mural dos seus amiguinhos coloridos.

Beijos nos bumbuns em arco-íris.
Mudar a foto do facebook para as cores da bandeira gay não tem nada a ver com SER gay: é medo de “ficar para trás”..de “parecer quadrado”..ou “atrasado”….quem sabe até “homofóbico”.
SUCESSO NACIONAL

Autor: Milton Pires

Depois da mania de atirar baldes com água gelada nas pessoas (houve um caso em que um cretino fez isso com uma criança de 2 meses de vida) e de escrever “Je suis Charlie”, agora a alta chinelagem, a macacagem nacional, escolheu, em apoio à decisão da Suprema Corte de outro país, apresentar suas fotos de perfil do Facebook com as cores do arco-íris.
Existe uma massa gigantesca de “pessoas com curso superior”, de gente que já esteve na Europa e nos Estados Unidos morando, trabalhando e estudando, de sentir-se em permanente “sintonia com a vanguarda ocidental.” Triste é que não são petistas. Triste é ver que estão nas passeatas contra o PT. Triste é ver que pensam que são “diferentes” dos petistas !
Precisam, já que são libertários do “Novo Partido”, estar em contato com a “new left” americana. Não interessa o que essa “new left” representa. Não interessa a GIGANTESCA quantidade de pessoas que deram a vida para construir os Estados Unidos da América, que está estarrecida com a vitória do lobby gayzista na Suprema Corte. Não interessa que tenham morrido em Omaha os “red necks” do Texas, ou que tenham sido metralhados em Midway “bumpkins” do Arizona….O que importa é o que se faz e se pensa em “Jew York”...Uma Jew York que, se puder, entrega o Estado de Israel ao ISIS – (Caio Blinder, no Manhattan Connection, teria um orgasmo???)

Outro dia me perguntaram se tenho “amigos gays”. Não tenho amigos “gays”; tenho amigos: não me interessa o que eles fazem na cama. Para estarrecimento da “turminha do perfil colorido” existe, entre esses gays que são meus amigos, até aqueles que são contra o casamento gay e que JAMAIS adotariam uma criança.

Milhares de vezes escrevi sobre a diferença entre ser gay e ser gayzista. Não fui eu quem inventou essa diferenciação, mas ela é fundamental. O que estamos assistindo nas redes sociais não são gays “saindo do armário” mudando a foto do perfil mas sim uma legião de gayzistas – de pessoas que sequer são gays – que, em permanente desespero pela “sintonia com o moderno”, precisam fazer esse tipo de coisa com suas fotos. Essa legião de bobalhões, para estar completamente “afinada” com a Costa Leste e com a Suprema Corte, deveria também colocar a foto de fetos mortos no seu perfil para dizer que apoia o aborto ou aparecer fumando maconha para declarar seu apoio a liberação das drogas.

Mudar a foto do facebook para as cores da bandeira gay não tem nada a ver com SER gay: é medo de “ficar para trás”..de “parecer quadrado”..ou “atrasado”….quem sabe até “homofóbico”. Psicologicamente falando, o processo todo tem raiz na ansiedade; não na convicção, e num processo que lembra muito mais o desespero do adolescente que precisa “ser aceito pelo grupo” se vestindo e falando da mesma forma do que de uma verdadeira opção. Gays não precisam que pessoas mudem as cores do facebook. Na verdade, muitos não precisam sequer que o Estado reconheça nada a não ser o direito de, ao morrerem, poderem deixar a herança para quem quiserem – coisa na qual o Estado Brasileiro, petista ou não, jamais deixou de interferir.

É perda de tempo usar estas linhas para falar em “Revolução Cultural”, em Gramsci ou no projeto de destruição da família. Isso não adianta mais ! As pessoas, pelo menos aquelas para quem EU escrevo, já sabem do que se trata. Concordam ou não – isso é problema delas; não meu. Mas é obrigação minha, e vou continuar fazendo, apontar o efeito disso na nossa cultura. Para cada macaquice um artigo, uma espécie de antídoto, de vacina para ser feita aqui na Chinelândia – país em que, quem não escuta funk e assiste o Faustão, não pensa muito diferente dos que o fazem e onde qualquer lixo, qualquer merda vinda dos Estados Unidos (mesmo que tenha origem na suprema corte) é sucesso nacional !

Porto Alegre, 28 de junho de 2015.

Gostou? Compartilhe esta publicação nas redes sociais

0 comentários:

Postar um comentário