George Soros: papel da UE será crucial para o futuro da Ucrânia & [VIDEO] George Soros Clama Por Uma Nova Ordem Mundial, Declara o Fim do Dólar e Que o Mundo Está Falido

Clique aqui para comentar esta publicação


Após ler essa matéria - mas leia, assista ao vídeo e some 1 +1 o resultado será o óbvio: A AGENDA DA NOVA ORDEM MUNDIAL A PLENO VAPOR PARA A SUA IMPLANTAÇÃO - sem esquecer que isso não é implantando sem derramamento de sangue - um dos passos: choro e ranger de dentes! 
PRESTEM ATENÇÃO NAS PALAVRAS: uma sociedade profundamente dividida - pacote de resgate multibilionário para salvar o país do colapso financeiro. Mas isso não será suficiente para manter a unidade nacional de que a Ucrânia vai precisar nos próximos anos.

VEJAM QUEM DISSE: George Soros é presidente da Soros Fund Management e da Open Society Foundations. Que sempre fica desconfortável quando diz ou dizem o termo “Nova Ordem Mundial”


Soros gastou uma quantidade insana de dinheiro tentando derrotar George W. Bush em 2004. De acordo com o Center for Responsive Politics, George Soros doou 23 milhões de dólares durante o ciclo eleitoral aos partidos políticos que estavam tentando evitar com que Bush fosse reeleito.

Saibam quem é: O mesmo "CARA" que comprou o URUGUAI, que tem um presidente um tanto quanto convenientemente "ingênuo" - O governo URUGUAIO se revelou fantoche da NOVA ORDEM MUNDIAL e para essa Open Society, criada pelo George Soros, que fala sobre “a criação de uma Nova Ordem Mundial”, ele discute a necessidade de um “declínio administrado” do dólar dos EUA e fala longamente sobre a necessidade de uma verdadeira moeda global
e Que o Mundo Está Falido. George Soros é presidente da Soros Fund Management e da Open Society Foundations. Um pioneiro do mercado dos fundos de hedge, e autor de vários livros, incluindo ‘A Alquimia das Finanças’, ‘Novo Paradigma para Mercados Financeiros: A Crise de Crédito de 2008 e Suas Implicações’ e ‘A Tragédia da União Europeia’
Sua Open Society Institute está em mais de 60 países e gasta aproximadamente US $ 600 milhões por ano promovendo os ideais de Soros. Suas organizações têm desempenhado um papel fundamental em um bom número “revoluções” em todo o mundo ao longo das últimas décadas, mas ultimamente o objetivo principal de George Soros é trazer uma mudança política nos Estados Unidos.

*****
27/02/2014

George Soros: papel da UE será crucial para o futuro da Ucrânia

Investidor diz que bloco foi atropelado pela Rússia nas negociações de acordo com a Ucrânia. Agora poderá ajudar o país a conquistar acesso a mercados

Manifestantes protestam contra o governo em Kiev, na Ucrânia
Manifestantes protestam contra o governo em Kiev, na Ucrânia (Andrew Kravchenko/AFP)
Depois de uma escalada terrível da violência, a revolta ucraniana teve, surpreendentemente, um resultado positivo. Contra todas as expectativas racionais, um grupo de cidadãos armados com pouco mais que bastões e escudos feitos de caixas de papelão e tampas de latas de lixo de metal esmagou uma polícia que disparava balas de verdade. Houve muitas vítimas, mas os cidadãos levaram a melhor. Esse foi um daqueles momentos históricos que deixam marcas permanentes na memória coletiva de uma sociedade.
Como pôde uma coisa dessas acontecer?  A mecânica quântica tem como pilar a teoria do princípio da incerteza, de Werner Heisenberg, que apresenta uma metáfora adequada à situação. Para Heisenberg, fenômenos subatômicos podem se manifestar como partículas ou ondas; da mesma forma, os seres humanos podem alternar entre se comportar como partículas individuais ou como elementos de uma onda maior. Em outras palavras, a imprevisibilidade de eventos históricos, como os da Ucrânia, tem a ver com um elemento de incerteza na identidade humana.
Leia também:
Presidente interino alerta: 'Separatismo ameaça a Ucrânia'

Ex-presidente ucraniano pede proteção à Rússia
Milícia pró-Rússia toma prédios do governo na Ucrânia
Em meio a tensão, Rússia ordena exercício militar perto da Ucrânia

A identidade das pessoas é composta de elementos individuais e elementos de unidades maiores a que pertencem, e o impacto das pessoas sobre a realidade depende de quais elementos dominam o seu comportamento. Quando os civis se lançaram em um ataque suicida contra as forças de segurança em Kiev, no dia 20 de fevereiro, seu senso de representante da “nação” em muito superou a preocupação com sua mortalidade individual. O resultado foi levar uma sociedade profundamente dividida que estava à beira de uma guerra civil para um sentido inédito de unidade. (Continue lendo o texto)
Ucranianos prestam homenagem aos mortos nos confrontos que acabaram por derrubar o presidente Viktor Yanukovych
Ucranianos prestam homenagem aos mortos nos confrontos que acabaram por derrubar o presidente Viktor Yanukovych - Bulent Kilic/AFP
A duração dessa união dependerá de como a Europa vai responder. Os ucranianos demonstraram sua fidelidade a uma União Europeia que é ela mesma dividida, com a crise do euro colocando países credores e devedores uns contra os outros. É por isso que a UE foi categoricamente atropelada pela Rússia nas negociações com a Ucrânia sobre um Acordo de Associação.
Fiel à forma, a UE, sob a liderança alemã, ofereceu muito pouco e exigiu demais da Ucrânia. Agora, depois que o compromisso do povo ucraniano em estabelecer laços mais estreitos com a Europa impulsionou uma insurreição popular bem-sucedida, a UE, junto com o Fundo Monetário Internacional, está preparando um pacote de resgate multibilionário para salvar o país do colapso financeiro. Mas isso não será suficiente para manter a unidade nacional de que a Ucrânia vai precisar nos próximos anos.
Fundei a Renaissance Foundation na Ucrânia, em 1990, antes da independência do país. A fundação não participou da recente revolta, mas foi defensora daqueles que foram alvo ​​da repressão oficial. A fundação agora está pronta para apoiar ucranianos que desejem fortemente instaurar instituições democráticas legítimas (acima de tudo, um sistema judiciário independente e profissional). Mas a Ucrânia vai precisar de ajuda externa que só a UE pode proporcionar: competência de gestão e acesso a mercados.
Project Syndicate: Recuperação econômica passa por combate à corrupção
Numa notável transformação das economias da Europa Central na década de 1990, a competência de gestão e acesso a mercados resultaram de investimentos maciços de companhias alemãs e empresas sediadas em outras partes da União Europeia, que integraram produtores locais a sua cadeia global. A Ucrânia, com seu capital humano de alta qualidade e economia diversificada, é destino de investimento potencialmente atraente. Mas perceber esse potencial exige melhor o ambiente para negócios na economia como um todo e em setores específicos – abordando particularmente a corrupção endêmica e a fraca aplicação do direito que repelem tanto investidores nacionais quanto estrangeiros. (Continue lendo o texto)
Manifestante que guarda a residência do presidente deposto mostra o luxo da residência de campo do presidente deposto Viktor Yanukovych foi aberta ao público sábado à noite
Manifestante que guarda a residência do presidente deposto mostra o luxo da residência de campo do presidente deposto Viktor Yanukovych foi aberta ao público sábado à noite - Yuriy Dyachyshyn/AFP
Além de incentivar o investimento estrangeiro direto, a UE poderá prestar apoio à formação de gestores de empresas locais e ajudá-los a desenvolver suas estratégias de negócio, com prestadores de serviços remunerados por participações acionárias ou participação nos lucros. Uma maneira eficaz de implantar esse tipo de apoio a um grande número de empresas seria combiná-lo com linhas de crédito concedidas pelos bancos comerciais. Para incentivar a participação, o Banco Europeu para a Reconstrução e o Desenvolvimento poderia investir em empresas, paralelamente a investidores locais e estrangeiros, como aconteceu na Europa Central. Desta forma, a Ucrânia abriria seu mercado interno para produtos fabricados ou montados por subsidiárias total ou parcialmente de propriedade de companhias europeias,  enquanto a UE aumentaria o acesso ao mercado para as empresas ucranianas e as ajudaria a integrar os mercados globais.
Saiba mais:
​Por que UE e Rússia querem tanto a Ucrânia? 
Ucrânia, um país com um histórico de tragédias
Espero e confio que a Europa sob a liderança alemã se mostre à altura dos acontecimentos.  Venho há vários anos defendendo que a Alemanha deve aceitar as responsabilidades e obrigações de sua posição dominante na Europa. Hoje, a Ucrânia necessita de um equivalente moderno do Plano Marshall, pelo qual os Estados Unidos ajudaram a reconstruir a Europa após a II Guerra Mundial. A Alemanha deve desempenhar o mesmo papel hoje como os EUA fizeram naquele momento.
Devo encerrar, no entanto, com uma palavra de cautela. O plano Marshall não incluiu o bloco soviético, reforçando assim a divisão da Guerra Fria na Europa. Uma reprise da Guerra Fria poderia causar um dano imenso tanto para a Rússia como para a Europa, e acima de tudo para a Ucrânia, que está situada entre eles. A Ucrânia depende do gás russo e precisa de acesso aos mercados europeus para os seus produtos; deve ter boas relações com ambos os lados.
Aqui, também, a Alemanha deve assumir a liderança. A chanceler Angela Merkel deve se comunicar com o presidente Vladimir Putin para assegurar que a Rússia é um parceiro, não um adversário, no renascimento ucraniano.
George Soros é presidente da Soros Fund Management e da Open Society Foundations. Um pioneiro do mercado dos fundos de hedge, e autor de vários livros, incluindo ‘A Alquimia das Finanças’, ‘Novo Paradigma para Mercados Financeiros: A Crise de Crédito de 2008 e Suas Implicações’ e ‘A Tragédia da União Europeia’
© Project Syndicate, 2014
(Tradução: Roseli Honório)
Cronologia dos protestos na Ucrânia

A recusa ucraniana - 29 de novembro

O presidente ucraniano, Viktor Yanukovich (esq), ao lado do presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz
A União Europeia (UE) não conseguiu convencer a Ucrânia a assinar um acordo selando sua aproximação com o Ocidente, em função da pressão de Moscou, o que constitui uma derrota para os europeus. No final da terceira cúpula da Parceria Oriental entre a UE e seis ex-repúblicas soviéticas - Ucrânia, Geórgia, Moldávia, Bielo-Rússia, Armênia e Azerbaijão - os resultados foram aquém do esperado. Somente Moldávia e Geórgia assinaram o acordo. O presidente ucraniano Viktor Yanukovich explicou que, antes de firmar um acordo, Kiev necessita "de um programa de ajuda financeira e econômica" da UE. "Não se pode, tal e como quer o presidente ucraniano, pedir que paguemos para que a Ucrânia entre nesta associação", retrucou François Hollande, presidente da França. Saiba mais sobre por que UE e Rússia querem tanto a Ucrânia.

História: Ucrânia, um país com um histórico de tragédias
Extraído de: http://veja.abril.com.br/noticia/internacional/papel-da-ue-sera-crucial-para-o-futuro-da-ucrania
****
soros nwo [VIDEO] George Soros Clama Por Uma Nova Ordem Mundial, Declara o Fim do Dólar e Que o Mundo Está Falido
No vídeo que você está prestes a ver, George Soros fala sobre “a criação de uma Nova Ordem Mundial”, ele discute a necessidade de um “declínio administrado” do dólar dos EUA e fala longamente sobre anecessidade de uma verdadeira moeda global. Então quem é George Soros? Bem, ele é um bilionário “filantropo”, que veio a ser conhecido como “o homem que quebrou o Banco da Inglaterra”, quando ele faturou um incrível valor de um bilhão de dólares durante a crise cambial “Black Wednesday” de 1992. Nos dias de hoje, Soros é famoso por ser talvez o bilionário mais “politicamente ativo” (pelo menos abertamente) do mundo. Sua Open Society Institute está em mais de 60 países e gasta aproximadamente US $ 600 milhões por ano promovendo os ideais de Soros. Suas organizações têm desempenhado um papel fundamental em um bom número “revoluções” em todo o mundo ao longo das últimas décadas, mas ultimamente o objetivo principal de George Soros é trazer uma mudança política nos Estados Unidos.
Então o que é exatamente que George Soros está tentando realizar? Bem, em poucas palavras, o que ele quer é um governo mundial Big Brother, baseado no socialismo europeu extremo, o controle populacional rigoroso e a radical agenda verde. Seria um mundo onde o Estado regule tudo o que fazemos para o maior benefício do ambiente e da sociedade como um todo.
No entanto, Soros não é o “mentor do Nova Ordem Mundial” que alguns tentaram fazer acreditar. Na verdadeentre a elite bancário internacional, Soros é considerado uma espécie de “ovelha negra” e um “outsider”. Muito do que Soros está tentando realizar alinha com os objetivos da elite bancária internacional, mas o que eles não gostam é que Soros não vai parar de falar publicamente sobre uma moeda global e uma “Nova Ordem Mundial”. Claro que a elite bancária internacional quer muito uma moeda global e uma “Nova Ordem Mundial”, mas o que não precisa é de um papagaio como Soros chamando atenção desnecessária para estes objetivos.
Além disso, Soros parece não compreender que ambos os lados do espectro político nos Estados Unidos são profundamente influenciados pela elite dos banqueiros internacionais. Infelizmente, a verdade é que o mesmo punhado de organizações elitistas dominou os gabinetes de cada presidente americano desde a Segunda Guerra Mundial. Se você duvida disso, basta verificar quantos membros de cada administração presidencial nos últimos 40 anos pertenceu ao CFR (Council of Foreign Affairs), a Comissão Trilateral ou o Grupo Bilderberg. Se você nunca prestou atenção nisto antes, você ficará absolutamente chocado. Não importa qual presidente   é eleito nos EUA, são exatamente sempre as mesmas organizações que sempre dominam seus gabinetes.
Mas Soros ainda parece estar muito preso dentro do paradigma esquerda/direita e obcecado em destruir o partido Republicano. Por exemplo, Soros gastou uma quantidade insana de dinheiro tentando derrotar George W. Bush em 2004. De acordo com o Center for Responsive Politics, George Soros doou 23 milhões de dólares durante o ciclo eleitoral aos partidos políticos que estavam tentando evitar com que Bush fosse reeleito.
Soros também tem foi um grande adepto de Barack Obama, apesar de que ultimamente Soros parecer estar um pouco desiludido com ele. Através de organizações como o Center for American Progress e MoveOn.org, Soros está constantemente tentando influenciar o estado da política americana.
Então o que é que George Soros tem pensando sobre os dias atuais? Bem, no vídeo postado abaixo, você verá Soros discursar sobre o “o declínio ordenado” do dólar dos EUA, a chegada da moeda global e a importância daNova Ordem Mundial.
Você notou como Soros ficou desconfortável quando ele estava dizendo o termo “Nova Ordem Mundial”?
A verdade é que ele sabe exatamente o que aquela frase significa. Ele sabe que é uma frase que ele provavelmente não deveria dizer e que trará bastante atenção.
Mas ele falou de qualquer forma.
Soros também parecia um pouco desconfortável quando ele falou sobre o ”declínio ordenado” do dólar.
Soros vem dizendo por algum tempo que o dólar americano precisa cair, e ele fala da vindoura queda do dólar como se fosse algo inevitável…
A única coisa que Soros parece temer é que o “declínio administrado” do dólar possa “sair do controle” e  levar ao caos financeiro mundial.
Soros ainda teve a ousadia de dizer que o dólar como a moeda de reserva mundial não é do interesse nacional dos e EUA e que uma mudança para uma moeda mundial é “um ajuste,  doloroso mas saudável” e que os americanos terão que suportar o baque para o bem maior da economia mundial.
Mas o povo americano não teria algo a dizer sobre tudo isso?
Talvez o povo americano não queira um “declínio administrado” do dólar.
Talvez o povo americano não queira nenhuma parte em uma “moeda mundial”.
Talvez o povo americano não queira fazer parte de uma “Nova Ordem Mundial”.
Mas para os homens como George Soros, realmente não importa o que “os pequenos” pensam. No mundo em que vive Soros, aqueles com enormes quantidades de dinheiro e poder sabem o que é melhor para o resto de nós, e se o “povo pequeno” inicialmente não quiser aceitar, a opinião pública pode ser então comprada se você gastar dinheiro o suficiente.
A triste verdade é que nós já vivemos em uma economia global. Basta entrar em praticamente qualquer loja nos Estados Unidos e começar a pegar os produtos para ver onde eles foram feitos. Muito poucas coisas que compramos se compra nos EUA são realmente feitas lá.
Hoje, o trabalho é uma mercadoria global. Trabalhadores norte-americanos devem agora competir diretamente para os trabalhos com aqueles ganhando salário de miséria na China e na Índia. O fato de milhões de empregos nos EUA estarem  sendo exportados e terceirizados não incomoda os defensores da globalização, em tudo porque supostamente é uma coisa benéfica para o conjunto da economia global.
E a maioria dos americanos tem pouca ou nenhuma idéia de quanta influência de organizações internacionais como as Nações Unidas, o Banco Mundial, o FMI e a OMC têm sobre nossas vidas diárias.
A verdade é que nós já vivemos em um mundo que já é profundamente integrado. Na medida em que isso continuar, em algum momento parecerá “natural” para os EUA concordar com uma verdadeira moeda global e uma total integração política global .
Vamos esperar que este dia nunca chegue. Ou pelo menos vamos torcer para que o povo americano acorde o suficiente apenas para não ir passivamente para uma “Nova Ordem Mundial”.
Uma economia global é ruim para os EUA e um governo global seria realmente muito ruim para os EUA.
Fontes:
Blog The Economic Collapse George Soros: The United States Must Stop Resisting The Orderly Decline Of The Dollar, The Coming Global Currency And The New World Order
[VIDEO] George Soros Clama Por Uma Nova Ordem Mundial, Declara o Fim do Dólar e Que o Mundo Está Falido,
http://youtu.be/lJdeduYqQbE
*****

Gostou? Compartilhe esta publicação nas redes sociais

0 comentários:

Postar um comentário