Tempestade geomagnética atinge nível 6 e já dura mais de 40 horas

Clique aqui para comentar esta publicação


A intensa tempestade solar que atingiu a Terra na tarde de sábado continua em atividade e produziu auroras nas regiões de latitudes elevadas ao norte e sul do equador. No domingo o índice KP chegou a atingir o nível 6 por três vezes e causou blecautes de radiopropagação em bandas de baixa frequência.

Clique para ampliar

A ejeção de massa coronal (CME) chegou a Terra por volta das 17 horas de sábado (14/07) e foi causada por uma forte explosão solar ocorrida na tarde do dia 12 de julho na região da mancha solar ativa AR 1520 O evento chegou a atingir a classe X1.4 no espectro de raios-x e teve seu efeito potencializado pelo fato de a mancha estar voltada em direção à Terra, bombardeando diretamente o planeta.

Tempestade Geomagnética
Os modelos de deslocamento indicavam que o choque das partículas com a alta atmosfera ocorreria por volta das 07h00 BRT de sábado, mas os magnetômetros localizados no círculo polar ártico só registraram desvios significativos do campo magnético terrestre a partir das 17h00. Desde então, índice KP que mede a instabilidade na ionosfera passou a apresentar níveis superiores a 4, que se intensificaram na tarde de domingo, com valores atingindo o nível 6 três vezes.


Na manhã de segunda-feira o índice KP ainda era elevado e nas primeiras horas do dia ainda sustentavam valores entre KP 5 e 6.

Consequências
O choque das partículas carregadas teve efeito imediato em latitudes elevadas ao norte e sul do equador e produziu auroras boreais na Europa, faixa centro-norte dos EUA e Canadá. Auroras austrais também foram observadas na Nova Zelândia, extremo sul da Austrália, Tasmânia e também no Polo sul. Não há informações de observação do fenômeno no sul da América do Sul, mas não descartamos essa possibilidade.


Além das auroras austrais e boreais, a instabilidade ionosférica causou blecautes de radiopropagação nas bandas de radiofrequência abaixo de 30 MHz dificultando ou impedindo, com algumas exceções, as comunicações transoceânicas neste espectro. Tentativas de recepção de estações de rádio localizadas na Europa e Japão feitas pelo Apolo11 resultaram em fracasso, assim como a captação de beacons de estação de radioamadores localizados na África do Sul, que normalmente são captadas com facilidade.

Não há registro oficial de problemas causados por surtos eletromagnéticos em linhas de transmissão localizadas acima das latitudes de 40 graus norte ou sul, nem de panes causadas em sistemas satelitais ou operações de localização, embora possam ter ocorrido sem terem sido relatadas.

Efeitos de tempestades KP=6
Sistemas de potência: Redes elétricas em latitudes elevadas podem sofrer alertas de variação de tensão. Se prolongadas, as tempestades podem danificar transformadores.

Espaço: Podem ser necessárias reorientações na órbita de satélites. O aumento do arrasto da atmosfera pode interferir no cálculo orbital.

Outros: Pode fechar a propagação em ondas curtas (HF) nas latitudes elevadas. Ocorrência de auroras boreais em latitudes baixas, ao redor de 55º.
Nota Segundo Sol: Lindíssimas auroras boreais podem ser verificadas por meio dos links abaixo, que foram disponibilizadas pelo site spaceweather:
link 01, link 02, link 03, link 04, link 05, link 06, link 07, link 08, link 09, link 10, link 11, link 12, link 13, link 14, link 15, link 16, link 17, link 18, link 19, link 20, link 21, link 22, link 23, link 24, link 25, link 26, link 27, link 28, link 29, link 30, link 31, link 32, link 33, link 34, link 35, link 36, link 37, link 38, link 39, link 40, link 41, link 42, link 43, link 44, link 45, link 46, link 47, link 48, link 49, link 50, link 51, link 52, link 53, link 54, link 55, link 56, link 57, link 58, link 59, link 60, link 61, link 62, link 63, link 64, link 65, link 66, link 67, link 68, link 69, link 70, link 71, link 72, link 73, link 74, link 75, link 76, link 77, link 78, link 79, link 80, link 81, link 82, link 83, link 84, link 85, link 86, link 87, link 88, link 89, link 90, link 91, link 92, link 93, link 94, link 95, link 96, link 97, link 98, link 99, link 100, link 101, link 102, link 103, link 104, link 105, link 106, link 107, link 108, link 109, link 110, link 111, link 112, link 113, link 114, link 115, link 116, link 117, link 118, link 119, link 120, link 121, link 122, link 123, link 124, link 125, link 126,

Fonte: http://www.apolo11.com
via: www.segundo-sol.com

Gostou? Compartilhe esta publicação nas redes sociais

0 comentários:

Postar um comentário