"Sudden" (morte súbita) degelo na Groenandia quase concluído. Aumento do nível do mar e mudanças geomagnéticas: O Caminho da Idade do Gelo.

Clique aqui para comentar esta publicação



Derretimento na Groenlândia  no caminho da glaciação?
Soa estranho, mas certamente não é, ou se olharmos para os estudos que temos sobre o passado da glaciação Riss e Würm.
E como mencionamos apenas 6 meses, confirmamos o que leram:
"As chaves são encontradas na análise das glaciações dos últimos pe...completamente o envio de 20.000. De -200,000 anos, Riss, Würm começou a ser uma espécie de subglaciação com ciclos mais curtos. "
Mas primeiro vamos tratar do evento especial: O derretimento na Groenlândia ocorreu em tempo recorde: em apenas 4 dias. Leia bem, não é um erro de escrita: 4 dias? Correto.
O artigo original pode ser lido no site da NASA: Satélites observam Folhas de Gelo derretidas da Groenlândia sem pre...
Você vê, a questão era tão controversa que inicialmente chegou a ser pensado que se tratava de um erro de medição. Até agora ele nunca tinha relatado nada parecido. "Obviamente, a interpretação não tem sido fácil esperar: CO2 e o efeito estufa é a causa."
No entanto, nesta ocasião não é tão óbvio, mas sim pontos de outros sinais que vão mudança cíclica de CO2 ", como a causa de todo mal."
Aparentemente não. E neste caso, a provas que acompanham os eventos.
Deixe os fatos: Para fazer nada melhor do que uma coleção de argumentos já feitas em artigos anteriores como esta que foi publicado em STV29022012
Em meio a uma campanha de mídia forte e intensa sobre Estratégias de aquecimento global, de CO2 e, após o escândalo do famoso "climategate" e os relatórios climáticos controversas, os novos dados sugerem exatamente o contrário: Estamos caminhando para uma era do gelo. Os ciclos cósmicos sempre estiveram lá, enquanto que as atividades humanas são muito recentes.
 ____________________________________________
NOTA: LEIA TAMBÉM

E se...O aquecimento global fosse resfriamento global?

Pode ter certeza: seria pior, muito pior. E, aliás, ainda pode acontecer se continuarmos a aquecer o planeta. Isso porque a causa para uma nova Era Glacial pode ser justamente o aquecimento global

Vamos supor que o aquecimento acabe com as geleiras da Groenlândia, inundando de água doce o Atlântico Norte. Sem o sal, a água marinha não pode afundar e voltar para o Caribe, fazendo a corrente do Golfo parar de funcionar.

O norte europeu não tem mais verão e, a partir da Escandinávia, o gelo vai tomando a Europa ano após ano. Como o gelo é branco, reflete quase toda a luz do Sol, numa reação em cadeia que torna tudo cada vez mais frio.

Pior: o gelo prende a água, e esse tipo de vapor de água é um gás que chega a ser 3 vezes mais potente que o gás carbônico no efeito estufa, que tanto causa o aquecimento global como torna a Terra habitável.

Resultado: temperaturas globais de 10 graus Celsius a menos. Camadas de neve com quilômetros de espessura tomam o hemisfério norte do pólo até Nova York, Canadá, norte da Europa e talvez também a Argentina. Boa parte desses países se torna inabitável.
Clique aqui
___________________________________________________
 Mas esta hipótese requer provas sólidas e pode, finalmente, "coloca sobre as tabelas", como alegado pelo Victor Bokov, diretor Abdusamatov Polar Institute, da Academia Russ...
Mas Bokov, tão só encabeça uma lista muito mais extensa de cientistas que sustentam essa hipótese, de que se for confimada, é compatível com a lógica cíclica das novas investigações paleoclimáticas. 
As notas se encontram nas análises das últimas glaciações e dos períodos denominados “interglaciares”. Se buscarmos na historia teríamos que remontar à época do final do Pleistoceno e especificamente para glaciação de Würm e de Riss. A de Würm teve vários ciclos de aumento/remissão, e foi responsável pela migração e dispersão do "homo sapiens" para os vários continentes, ou seja, 120.000 anos atrás, e completamente o envio de 20.000. De menos 200.000 anos, começou Riss, Würm a ser uma espécie de subglaciação com ciclos mais curtos.
_____________________________________________
Nota: Para o período de maior extensão dos glacial durante esta época, veja Último máximo glacial.

Tipos de vegetação no auge da última glaciação
Último período glacial, também referido como Idade do GeloGlaciação WisconsinGlaciação WürmsWürmiano ou Laurenciano[1], é a designação dada ao último episódio de glaciação da Terra registado durante a presente idade geológica. Teve lugar durante a última parte do Pleistoceno, de aproximadamente 110 000 a 10 000 antes do presente[2] e é a mais conhecida das glaciações antropológicas.
Foi definida por A. Penck e E. Brückner (1901-1909), como glaciações alpinas (RISS, Mindel, Günz, Donau). Sua definição é baseada em observaçõesgeológicas consequentes da redução significativa das temperaturas médias durante um longo período (gelo de água fluvial, morenas) nos Alpes. Considera-se que ela começou há 100 mil anos e terminou há 12 mil.
Esta glaciação foi a última acontecida na Terra, e com ela se considera terminado o período Pleistoceno e as denominadas "glaciações antropológicas" porcientistas, devido ao fato de terem sido usadas para a travessia do homem para aAmérica do Norte. As outras glaciações antropológicas anteriores a Würm foram aGlaciação Donau, há dois milhões de anos, a Glaciação Günz, há cerca de 700 mil anos, a Glaciação Mindel, há cerca de 400 mil anos e a Glaciação Riss, há 150 mil anos. Se supõe, segundo as teorias enunciadas, que todas elas foram usadas pelo homem para chegar a América, em maior ou menor grau. Os cientistas as consideram "glaciações recentes".

Günz, Mindel, Riss e Würm, do mais antigo para o mais recente), separadas por terminações sucessivas representam os ciclos glaciários, compreendendoepisódios mais curtos, da ordem de alguns milhares de anos apenas)
_______________________________________
 Os dados obtidos a partir da análise das camadas de gelo da Antártida e amostras de análises incrementais de gelo no oceano e perda de gelo no continente, mostram um paradoxo curioso que se refere a uma situação hipotética que já ocorreu no Pleistoceno: O aumento do nível do mar, é o prelúdio para uma idade do gelo, como a série histórica.
Agora vamos olhar para as fotos tiradas em julho de 2012 na Groenlândia:
Em 4 días?Incrível, mas verdadeiro.O CO2 não faz isso, seu efeito é mais progressivo.Muito mais lento. Em seguida, volta novamente para a análise do evento, mas mantém a linha de argumentação:
Há muitos  mais sinais prévios das eras glaciais:
1º. Contínuo de alterações na camada de ozonio ligados à geração de H2SO4, como um resultado de ionização por raios cósmicos (tempestades solares eventos cósmicos + estrela).

A seguir, oferecemos o  diagrama das descobertas do  projeto CLOUD06/CERN (2009).
2º-  A mudança na taxa de incidência influencia o impacto Solar cósmico. Isso é a maior excentricidade da órbita da Terra, que envolve uma mudança ligeramente mais afastada do Sol no inverno e um pouco mais perto do sol no verão, o que também explicaria as pequenas variações detectadas nÓrbita da Lua  e outros Planetas do Sistema Solar.
3º- Mudanças sutis no eixo magnético da Terra, acompanhado por um aumento na atividade sísmica e vulcânica como consequência do ponto 1 e 2, em um processo que demonstra uma natureza cíclica da mudança cósmica.
Isso justificaria a produção de gelo em lugares novos, e o derretimento de lugares que outrora estavam cobertos com gelo e aumento do nível dos oceanos e os fenômenos de inversão de rapidez.
Vejamos a seguir uma análise dos diferentes períodos de Glaciação no Pleistoceno em um quadro comparativo entre excentricidade, inclinação do eixo terrestre, duração e contraste das estações, em séries antigas que vão até aos 500.000 anos.
Uma análise detalhada mostra como nos encontramos em um ciclo de incremento da excentricidade, e o final de uma etapa “interglacial”. A medida que a excentricidade vai aumentando, haverá um maior contraste térmico entre as estações
Na figura superior, podemos ver marcados os pontos máximos correspondentes à glaciaçãoWürm (-119.000 a -127.000, Máximo de Würm)  e se observarem os parâmetros máximos da Glaciação Riss divididos por uma breve etapa interglacial. O diagrama mostra diversos máximos e mínimos de aquecimento de gelo, sendoo de Riss (-200.000 a -150.000) o período de maior excentricidade da órbita terrestre. (Que atualmente tem variado de 0,01 a 0,04 e 0,06 Vorme Riss).  O deslocamento do eixoda Terra de 22,5º aos 24,5º da Glaciação Riss, explica também os periodos sísmicos e vulcânicos como eventos prévios às glaciações.
 ____________________________________________
LEMBRETE:
__________________________________________
Dos dados extraídos por series históricas, são estimados  "subciclos"  ambos deexcentricidade, como alterações na inclinação do eixo da Terra de cerca de 25.000 anos, que mostra um processo cíclico cósmico.
Em períodos de maior excentricidade, são também traços de irídio e SO 4, que mostram maior intensidade de radiação cósmica. Quanto maior for a excentricidade, mais radiação a partir de outras fontes que não o Sol.
Este fenômeno também mostra que a ação gravitacional do Sol não é constante, mas varia ciclicamente sua função logarítmica dos eventos cósmicos da galáxia.
Quanto aos períodos interglaciais, observamos o seguinte:
As marcas interglaciais, mostram seções em reverter a tendência de ciclos, o que é um período de mais baixos contrastes térmicos após a idade de gelo, que é causado por uma mudança no eixo da Terra a 22,5 ° em relação à 24,5 °, no caso da glaciação Würm, o que propicia um maior isolamento no verão.
Agora vamos comparar o aumento do nível dos oceanos em relação aos períodos glaciais e interglaciais.
Existe una conexão lógica entre o aumento do nivel do mar o o começo de uma etapa glacial. Pode-se ver como ocorreu assim no passado como preâmbulo da glaciação Würm. Os movimentos cíclicos no nivel do mar correspondem com o movimento do eixo da Terra. Uma vez mais, outro indício de ciclo cósmico.
E bem, chegamos a este ponto, voltemos aos dados:
Fonte literalmente de NEEM temos:
A partir de NEEM (uma estação de elevação menor do que a estação de Summit)”
“Um núcleo a partir de uma amostra do núcleo de gelo do CO2 no local de amostragem do NEEM foi recuperada em julho de 2009, e as propriedades físicas do núcleo foram analisados. No 81m de núcleo analisados, duas regiões que contêm camadas de gelo foram identificadas em profundidades de 29m e 46m. As análises isotópicas fornecem uma escala de profundidade de idade que datam estas camadas a serem de 1935 e 1879, respectivamente. Estes anos foram nas duas décadas mais quentes do registro instrumental da temperatura para a Gronelândia. "
O curso anterior não significa apenas 30% de degelo alvo aqui, por isso alguns críticos se perguntam se o CO2 tinha algo a fazer em etapas descritas. O que 1879 e 1935, o CO2 era uma ameaça para a humanidade em termos de clima? 
Obviamente a resposta é "Não". O peso das atividades humanas em 1879 era de nenhuma ameaça para o ecossistema.
No entanto, houve um evento "similar", mas menor do que o relatado.
O que sabemos é que a Terra experimenta periodicamente inversões geomagnéticas menores, para o efeito de volta para a análise estruturada
  Martín-Chivelet, J. 2003. Cambio Global durante el Holoceno: La evo...
Talvez tenham razão para Jaen, na medida em que eles estão destacando alterações que são evidentes e consistentes com os dados recentes.
E, claro, nada como verificar os dados de temperatura para ver se os acontecimentos são cíclicos, ou obedecem a uma produção ou de origem humana (CO2).
Pegue o gráfico de temperatura para o mês de julho na área:


A verdade é que, se seguirmos o "iter" das investigações encontramos estas instruções:
Nghiem consultou Dorothy Hall em NASA's Goddard Space Flight Center in Greenbelt, Md. Hall estuda a temperatura da superfície da Gronelândia usando oModerate-Resolution Imaging Spectroradiometer (MODISsão satélites Terra da NASA e do Aqua. Ela confirmou que MODIS mostrou temperaturas excepcionalmente altas e que o degelo era extenso sobre a superfície de gelo.

Thomas Mote, um climatologista da Universidade da Geórgia, Athens; e Marco Tedesco da Universidade da cidade de Nova York também confirmaram a fusão visto por Oceansat-2 and MODIS com passive-microwave satellite dados a partir do micro-ondas sensor especial Imager/Sounder em uma Força Aérea dos EUA satélite meteorológico.

A fusão se espalhou rapidamente. O derretimento nos mapas gerados a partir dos três satélites mostraram que em 8 de julho, cerca de 40 por cento da superfície da camada de gelo havia derretido. Em 12 de julho, 97 por cento haviam derretido.

Este evento extremo de fusão coincidiu com um sulco forte de ar quente, ou uma cúpula de calor, sobre a Groenlândia. O cume foi um de uma série que tem dominado o tempo da Groenlândia desde o final de maio. "Cada rebordo sucessivo tem sido mais forte do que o anterior," disse Mote. Este último pico de calor começou a se mover ao longo da Groenlândia em 8 de julho, e, em seguida estacionou-se sobre a camada de gelo cerca de três dias depois. Em 16 de julho, havia começado a dissipar.

Entre 8 e 12 de Julho 975 de gelo da Groenlândia haviam derretido?
Isto representa um aumento do nível de água em 7%, o que é consistente com os dados que são familiares. Referimo-nos aos dados que correspondem ao contraste do aumento no nível dos oceanos em relação aos períodos glacial e interglacial.
Existe uma conexão lógica entre o auemnto “previo” como consequencia das reversões geomagnéticas e a fluctuação nos ciclos de atividade solar.
Pois bem, em Modulação de ondas equatoriais eletrojato plasma por overshielding ... e apresenta dados recentes para a inversão geomagnética que ocorrereu como resultado da atividade solar. Não se esqueça que a equipe científica do V. Klimenko argumentaram repetidamente que as perturbações geomagnéticas e as tempestades solares estão relacionadas. Em particular podem ser os processos relacionados com base na tempestade solar 14-15 dezembro de 2006, que serviu de anterior estudo e estudos posteriores sobre o assunto. Reproduzimos aqui o resumo e o link para aqueles que desejam adquirir o estudo completo:
Mas estes eventos já são conhecidos da série histórica. No mesmo sentido do que é indicado aqui são dois interessantes estudos recentes da Universidade de Colorado e da Universidade de Huston, cuja leitura recomendamos também:
1.Volcanoes and Igneous Activity Earth – Chapter 4 [PPT-6MB]
Jul 2011
…North America © 2011 Pearson Education, Inc. © 2011 Pearson Education…Revolution Begins During the 1950s and…early 1960s. ©2011 Pearson Education…Revolution Begins Geomagnetic reversals Earth’s…Begins Geomagnetic reversal Paleomagnetism…
[http://learning.hccs.edu/faculty/ravindra.tipnis/geol7...]
2.The Solar Wind [PPT-16MB]
Jul 2011
…CO June 16, 2011 2 Parker showed…later by a large geomagnetic storm – suggested…ejected from Sun during flares. Observations…Cycle Effects During the decline of…all latitudes. Reversal of field polarity during second orbit near solar…
[http://lasp.colorado.edu/reu/docs/2011/solar_wind_gosl...]
Na mesma linha, temos uma sucessão clara dos dados no Parker’s dynamo and geomagnetic reversals  de M. ReshetnyakD. Sokoloff (Por citar um exemplo).
No cálculo, os dados computados ao longo dos 6 anos de medições e observações da magnetosfera e ionosfera, chegando às mesmas conclusões que a equipe Klimenko, (discutido acima).
Na mesma linha, observe a literatura adicional disponível sobre o assunto, que recomendo:
1. Geomagnetic Reversals From Impacts On The Earth [9K]
Sep 2010
…Plasma Universe Thunderbolts Geomagnetic Reversals From Impacts On The Earth…review the evidence tying geomagnetic reversalsto the impacts of large bodies…a physical mechanism for geomagnetic reversals: “The impact of a large…
 [http://www.science-frontiers.com/sf049/sf049p18.htm]
similar results

2. Access : Earth science: Geomagnetic reversals : Nature [33K]
Jan 2011
…science jobs Post a job for free Earth science: Geomagnetic reversals David Gubbins 1 Top of page Abstract Earth’s magnetic…behaviour remains a mystery, but a combination of geomagnetic observations with theoretical studies has been providing…
 [http://www.nature.com/nature/journal/v452/n7184/full/4...]
similar results

3. UCL Discovery – A non-extensive statistical physics approach to the polarity reversals of the geomagnetic field [21K]
Aug 2011
…intervals between two consecutive geomagnetic reversals, called inter-reversal…times and using the CK95 geomagnetic reversals and we estimate a thermodynamic…process which generates the geomagnetic reversals. (C) 2011 Elsevier B…
 [http://discovery.ucl.ac.uk/1305321/]
similar results

4. MadSci FAQ: Geomagnetic Reversals [5K]
Aug 2010
MadSci FAQ: Geomagnetic Reversals Did you know that the earth’s…archives with queries such as geomagnetic reversal or reverse polarity…The earth’s magnetic field (geomagnetic reversals). Answer Nonaligned Question…
 [http://www.madsci.org/FAQs/earth/reversals.html]
similar results

5. David Gubbins (Univ. of Leeds & KITP), Friedrich Busse (University of Bayreuth & KITP), Graeme Sarson (Newcastle University & KITP),Geomagnetic Reversals [5K]
Sep 2010
Schedule May 30, 2008 Geomagnetic Reversals David Gubbins (Univ. of Leeds & KITP), Friedrich Busse (University of Bayreuth & KITP), Graeme Sarson (Newcastle University…
 [http://pnm.itp.ucsb.edu/online/dynamo08/reversal/]
similar results

6. Parker’s dynamo and geomagnetic reversals
Reshetnyak, M. / Sokoloff, D., article, Sep 2011
Fluctuations of the alpha-effect which break equatorial symmetry of the flow in the kinematic Parker’s dynamo are considered. We show, that even small (a few percents) fluctuation can leed to the substantial assymmetry of the magnetic field in the …
 Full text article available from E-Print ArXiv 
 similar results

7. A coupled low order dynamo/turbulent shell model for geomagnetic field variations and reversals
Ryan, David A. / Sarson, Graeme R., Physics of the Earth and Planetary Interiors, 188 (3-4), p.214-234, Oct 2011
doi:10.1016/j.pepi.2011.09.003
…No fit 1 Introduction The geomagnetic field reverses irregularly…occur. The frequency of these reversals is highly variable, however…and other periods exhibiting reversals as frequently as 0.1…generally accepted that individual reversals arise spontaneously…
 Published journal article available from 
 similar results

8. Clustering of Polarity Reversals of the Geomagnetic Field
Carbone, V. / Sorriso-Valvo, L. / Vecchio, A. / Lepreti, F. / Veltri, P. / Harabaglia, P. / Guerra, I., Physical Review Letters, 96 (12), Mar 2006
doi:10.1103/PhysRevLett.96.128501
 Published journal article available from 
 similar results

9. No asymmetry in geomagnetic reversals recorded by 1.1-billion-year-old Keweenawan basalts
Swanson-Hysell, Nicholas L. / Maloof, Adam C. / Weiss, Benjamin P. / Evans, David A. D., Nature Geoscience, Sep 2009
doi:10.1038/ngeo622
 Published journal article available from 
 similar results

10. No asymmetry in geomagnetic reversals recorded by 1.1-billion-year-old Keweenawan basalts
Swanson-Hysell, Nicholas L. / Maloof, Adam C. / Weiss, Benjamin P. / Evans, David A. D., Nature Geoscience, 3 (5), p.369-369, May 2010
doi:10.1038/ngeo850

Traduzido e postado por Andrea Cortiano
via: http://portaldosanjos.ning.com

Gostou? Compartilhe esta publicação nas redes sociais

0 comentários:

Postar um comentário