Super explosões solares podem estar associadas às interações magnéticas entre os planetas gigantes que orbitam próximos às estrelas

Clique aqui para comentar esta publicação


Em 1859, uma violenta explosão solar praticamente bloqueou todas as comunicações telegráficas do planeta, eletrocutando técnicos e produzindo auroras boreais até nas latitudes baixas. Agora, um novo estudo mostra que se ocorresse uma super explosão solar, as consequências seriam ainda piores.

O estudo, publicado no periódico científico Nature foi realizado a partir de observações feitas com o telescópio espacial Kepler, da Nasa, que observa cerca de 100 mil estrelas em uma porção de céu situada entre 600 e 3 mil anos-luz da Terra. Durante 120 dias o telescópio registrou 368 super flares e para nossa sorte, apenas 0,2% das estrelas similares ao Sol apresentam explosões desse tipo.

Diferentes dos flares comuns produzidos pelo Sol, os super flares podem ser 10 mil vezes mais intensos, mas de acordo com Hiroyuki Maehara, da Universidade de Kyoto, no Japão, esses eventos são pouco frequentes em estrelas de baixa rotação, como nosso Sol.

Além disso, os padrões registrados pelo telescópio Kepler indicam que essas super explosões podem estar associadas às interações magnéticas entre os planetas gigantes que orbitam próximos às estrelas, configuração diferente do nosso Sistema Solar onde os gigantes gasosos Júpiter e Saturno orbitam longe da estrela-mãe.
(Nota Segundo Sol: Então, se tivesse uma astro superior ao tamanho de Júpiter, se aproximando de nosso Sol, a situação mudaria de figura. Só faltaram eles dizerem que temos um astro com tamanho superior ao de Júpiter chamado de Hercólubus (Segundo Sol, Planeta X, Nêmesis, etc) e que ele se aproximada cada vez mais de nosso sol).

Mesmo sendo pouco provável a ocorrência de um super flare em nosso Sol, os cientistas não podem deixar de especular sobre o impacto que uma explosão desse tipo teria sobre a Terra. Segundo alguns modelos computacionais, na hipótese da Terra ser atingida diretamente por um super flare a camada de ozônio seria praticamente varrida, aumentando fortemente o nível de radiação ao nível do solo o que poderia provocar extinções generalizadas de algumas espécies.

Apesar dos super flares parecerem mortais a primeira vista, o estudo também mostra que alguns sistemas planetários distantes se beneficiariam do fenômeno, com o impacto das partículas carregadas fornecendo energia suficiente às atmosferas e iniciando as reações químicas necessárias ao desenvolvimento biológico.

A mais intensa
A tempestade geomagnética mais intensa que se tem registro foi denominada Evento Carrington e ocorreu entre agosto e setembro de 1859. A intensa tormenta foi testemunhada pelo astrônomo britânico Richard Carrington, que observou o fenômeno através da projeção da imagem do sol em uma tela branca. Na ocasião, a atividade geomagnética disparou uma série de explosões nas linhas telegráficas, eletrocutando técnicos e incendiando os papéis das mensagens em código Morse.


Relatos informam que as auroras boreais foram vistas até nas latitudes médias ao sul de Cuba e Havaí. Nas Montanhas Rochosas, no oeste da América do Norte, as auroras eram tão brilhantes que acordavam os camponeses antes da hora, que pensavam estar amanhecendo. As melhores estimativas mostram que o Evento Carrington foi 50% mais intenso que a supertempestade de maio de 1921.


Gostou? Compartilhe esta publicação nas redes sociais

0 comentários:

Postar um comentário